Seguir por Email

12 de abr de 2012

O dia chegou...


Fomos nos deitar ontem pensando em como estaria a cabeça de cada Ministro do Supremo Tribunal Federal. Se estariam refletindo sobre a decisão importante que teriam de tomar hoje...
Se estariam tranquilos ou preocupados, se estariam nervosos ou ansiosos, se estariam com a consciência em paz. E aí, quase não durmi.
Hoje fiquei o dia todo sem computador, apenas com a Internet do celular, que não é dos mais modernos. Passei a manhã e a tarde correndo os principais canais de notícias e ouvindo o rádio para acompanhar a votação que decidirá sobre a legalização do aborto em caso de anencéfalos. O Diogo estava trabalhando e me atualizava com as informações que ele conseguia ouvir. Me senti como se estivessem decidindo sobre a vida da minha filha, Maria Eduarda. E na verdade, é...
Quantas outras Marias e Josés são diagnosticados com anencefalia todos os dias no Brasil e podem nem vir ao mundo se suas mães tiverem o respaudo da justiça para matá-los porque são considerados sem expectativa de vida? O que me espanta é usarem o argumento de que quem decide sobre seu corpo é a mulher. Mas para mim não se trata de decidir sobre o "seu corpo" e sim sobre o corpo de outro ser humano, que é seu FILHO!!! E aí eu começo a ler comentários do tipo: "...não podem deixar esses monstros nascerem..." ou ainda: "...até que enfim o Brasil está andando pra frente e apagando leis da Idade Média..." Aí eu me pergunto, que país estamos construindo? Será que não temos culpa de tudo isso que está acontecendo com ele? Afinal, não escolhemos diretamente os Ministros, mas elegemos deputados, senadores, governadores, presidente, vereadores e prefeito.
Ou ainda, passamos a achar que tudo é normal, que algumas mudanças de comportamento são normais, que trair é normal, mentir, roubar, enganar, iludir, agredir, transar com qualquer um, se vingar... e será que a legalização do aborto de fetos anencéfalos não é apenas o ponta-pé inicial para que essa prática também passe a ser vista como "normal"? E daqui há pouco vão legalizar o infanticídio, e tantas outras coisas.
Fala-se que o aborto é uma questão de saúde pública, mas a própria ciência já provou que os fetos reagem quando o aborto começa a ser feito dentro do útero materno!
Só queria que as gestantes que receberam o diagnóstico de anencefalia soubessem que é possível levar a gravidez a diante, é possível respeitar a vida e aguentar até que o bebê aguente, é possível passar por esse sofrimento e aprender a conviver com a dor, que é uma dor de saudade e não de culpa!
Mães de anencéfalo são mães escolhidas a dedo por Deus! Ele nos escolheu para sermos geradoras desses frutos especiais e é Ele, somente Ele quem dá todo o suporte que precisamos.
Minha filha mudou a minha vida para sempre! E como foi bom conhecê-la, dizer a ela o quanto nós a amamos, o quanto a queríamos, e como foi bom ouvir o seu choro, tocá-la, segurar a sua mão e agradecer por ela ter sido tão forte.
A mulher não tem o direito de decidir, pois quem decide é Deus! E que Ele tenha compaixão de todos aqueles que ainda não experimentaram o seu amor, que não respeitam a vida e que votam a favor do aborto. E sabem de uma providência? Hoje, quarta-feira, é rezado o mistério glorioso do santo terço, em que Maria é consagrada como Mãe de Deus! Não é a tôa! Ela é mãe e tenho a certeza de que está intercedendo por tudo!




8 comentários:

  1. Querida Kellen, imagino a dor que você deve estar sentindo ao ouvir comentários e argumentos tão estúpidos como os que temos ouvido contra a vida desses bebezinhos. Sou integrante da Comissão de Defesa da Vida de Londrina - PR, temos feito palestras e cursos para levar as pessoas a entenderem como é feito um aborto e que ele não é necessário, mas pelo contrário, é um mal maior... e ver o resultado até agora dessa votação, a despeito de nossas orações, e-mails aos ministros e tantas tentativas de mudar essa situação nos faz tanto mal. Sou mãe de uma menininha de 1 ano e 7 meses, e estou gravida de 7 meses de um menino, mas... sei que teria o mesmo amor se fossem um bebezinhos especiais, talvez até maior por saber que é alguém que ficaria menos tempo comigo... e sinto uma dor enorme por saber que tantas mães que deveriam amar e não estão nem aí, querem "acabar logo com isso" e jogar seus filhos no lixo. Se eu, que não passei pelo que passou sinto isso, imagino como está seu coração nesse momento.
    Mas... independente dessa batalha ser perdida, que é o que parece que vai acontecer, a luta continua. Que possamos mostrar às pessoas que cada bebê é unico, escolhido por Deus para estar naquele momento ali, e que tem dignidade, merecem viver enquanto Deus quiser que viva, e uma sepultura digna quando Deus o levar. Merece ser amado, querido, assim como sua filha foi.
    Continuemos a fazer nossa parte, levando outras mulheres a pensar diferente, e a pedir que Maria a Mãe de todos nós esteja a frente, intercedendo por nós e por cada uma dessas criancinhas!
    um abraço e parabéns por seu blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dani,
      Agradeço imensamente essa solidariedade, pois realmente me senti como se estivessem decidindo sobre a vida de milhares de Marias Eduardas. Na quarta-feira, quando começou a votação, chorei o dia todo... e mais um pouco quando a decisão do Supremo foi anunciada um dia depois. Realmente não é fácil ler e ouvir os argumentos que levaram a isso, mas sei que temos que respeitar a opinião do outro, mesmo que não aceitemos. E ainda mais, rezar por estas pessoas. Nossa luta realmente continua e quero me dispôr a ajudar o Movimento no que precisarem! Queremos fazer mais pela defesa da vida, mais além do blog e das entrevistas! Que Nossa Senhora, Mãe de Deus e nossa, rogue por todos vcs! Um gde abraço!

      Excluir
  2. Apesar dos comentários maldosos amiga, vejo que há um numero muito maior de pessoas contra esse ato absurdo... graças a Deus os IGNORANTES ainda são minoria. Estamos com vcs. Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se fechar os olhos consigo ver você se articulando toda pra falar isso amiga! Sei que está conosco e sou muito grata por isso! Te amo! Um gde bjo no seu coração!

      Excluir
  3. Cara Kellen, assisti sua entrevista à TV Aparecida, ontem, me emocionei. Me entristeci pela decisão do STF, mas me alegrei em saber que ainda há mães e pais como você e seu esposo, que amam e defendem a vida. Obrigado pelo seu testemunho, ele mostra que apesar da insensatez dos legisladores ainda há esperança e que podem até legalizar o aborto, mas na hora quem decide são os Pais e as Mães de verdade. Forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Everton,
      Nós é que agradecemos pela força e pelo carinho! É bom saber que não estamos sozinhos nessa luta! Deus te abençoe! Um gde abraço!

      Excluir
  4. Oi,Kellen td bem querida?,ontem a tarde ao ouvi-la na tv Aparecida fiquei mais muito emocionada.Ouvi vc falar sobre a sua filha me deu a certeza de nunca mais serei sozinha na minha dor.Em 2006 fiquei grávida,era um sonho realizado afinal estava com 35 anos,uma gravidez perfeita,até fazer o exame morfológico completo.Minha filha Júlia,tinha uma anormalia chamada:Onfalocele.O médico indicou fazer um aborto,era a melhor solução dizia ele,mas para quem?,minha filha mexia dentro de mim,tinha vida.Tds diziam faça o aborto pra não sofrer,não se apegue,mas eu amava a minha filha e, ela tenho certeza acreditava em mim,já estava resolvida a levar a minha gravidez até o fim,tive parto normal(fui mãe literalmente),Júlia nasceu e,retornou pra Deus.Naquele dia eu não era dona do meu corpo,a Júlia é que era a dona de mim,deixei minha filha cumprir a sua missão aqui na terra.Deste do momento que me sente grávida amei profundamente a uma pessoa que nem conhecia.Minha filha éum ser muito amado,por mim e o pai dela.Meu marido tds os dias das mães,me presentei dizendo ser a Júlia que manda o presente.Agora vem essas pessoas dizendo que essas crianças não tem vida,quem são eles?.Se acreditassemos disso teríamos matado nossas filhas covardemente.

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente Sandra, ainda é difícil fazer as pessoas enxergarem a vida desses bebês tão amados, como nós enxergamos. Mas não podemos desistir, nem tão pouco desejar o mal a estes. Nossa dor é única, mas como vc, também tento transformá-la em saudade. Fiquei muito feliz em receber sua mensagem. Pode ter certeza que não está sozinha! Vamos mantendo contato! Está chegando o dia das mães, e pra mim, é muito difícil ainda passar por ele... Fica com Deus minha amiga! gde bjo no seu coração!

    ResponderExcluir

Querido (a) leitor (a),
Você é muito bem vindo neste blog, mesmo que não concorde com o que lê aqui. No entanto peço que seja respeitoso ao incluir o seu comentário. Reforço que não concordamos com todas as mensagens deixadas no painel, que visa ser uma ferramenta de auxílio à famílias que passam pela mesma situação.
Qualquer outro contato pode ser feito pelo e-mail: kellenreis.tv@gmail.com
Obrigada.